Autor: em 10/05/2017
Tags:
Categorias: BREAKING

VITÓRIA DO BRASIL: O ADIAMENTO DO VOTO IMPRESSO FOI REJEITADO PELA CÂMARA

Nível de Confiança da Informação: Altíssima.
Clique no link “Ir Para Fonte Original…” para ser direcionado para a matéria.

GARANTIA POLITZ: INFORMAÇÃO CAPTADA E DEVIDAMENTE VERIFICADA PELO ALGORITMO EXCLUSIVO DO POLITZ


Devemos informar que diversos partidos como PMDB, PSDB e PT votaram inicialmente CONTRA a manutenção do voto impresso. Caso desejem conferir a cobertura do POLITZ em tempo real no Twitter, basta clicar aqui.

Conforme a votação andava, diversos partidos começaram a formar a maioria, votando A FAVOR do voto impresso para 2018. A vitória era praticamente certa, quando esses mesmos partidos MUDARAM o seu voto, apoiando a manutenção do voto impresso.

Não sei qual foi o medo e o susto que esses partidos tomaram mas eles mudaram o voto. Lembrem-se disso.

Destacamos também que o REDE, da Marina Silva, votou CONTRA o voto impresso. A última parcial que conseguimos está neste tweet:

 

Devido a publicidade das informações públicas, o artigo postado pela Câmara dos Deputados, será republicado aqui:

Após um acordo entre os partidos, o Plenário da Câmara dos Deputados concluiu a votação nominal de um destaque do bloco PP-Avante e retirou do texto do Projeto de Lei 8612/17 o adiamento da implantação do voto impresso pela Justiça Eleitoral para a segunda eleição geral seguinte à aprovação do projeto, ou seja, para 2022.

Devido à restrição orçamentária, o acordo que se busca com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é a execução de um projeto piloto de impressão do voto em alguns estados nas eleições de 2018.

Fundo de financiamento
Os deputados já aprovaram o texto-base do projeto, que regulamenta o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) para custear campanhas eleitorais com recursos públicos. O fundo foi criado pelo PL 8703/17, recém-aprovado pelos deputados e enviado à sanção presidencial.

Além de regulamentar o fundo, o texto trata de aspectos relacionados diretamente à campanha, como propaganda na internet, parcelamento de multas eleitorais e limites de gastos para campanhas em todos os cargos.