Em recente pesquisa realizada pelo Datafolha entre os dias 18 e 19 de dezembro com 2.077 entrevistas em 130 municípios de todo o país o instituto comprovou o óbvio: Brasileiro odeia marginal. Toda esta masturbação intelectual ostensivamente promovida nas universidades federais, onde o bandido é uma vítima, inocente e romantizada, quase como um anti-herói de um conto do Nelson Rodrigues, só cola mesmo na classe média do Leblon, que se sente culpada por ser privilegiada e pune o restante da sociedade em prol de uma narrativa redentora de suas paranoias.

Para a maioria dos brasileiros, 84% é favorável da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. Destes, 67% acredita que ela deve ser aplicada a qualquer tipo de crime, como aponta a pesquisa noticiada pela Folha de São Paulo, assinada pela jornalista Marina Estarque. O crime é sempre um empreendimento, a ideia de sair do ponto A e ir ao ponto B. Não se trata de falta de escolha, de indução ou mesmo obrigação, se trata de incentivos, facilidade de empreender e o custo benefício da ação, avaliado pelo risco que se corre. Como no Brasil tivemos sempre uma passividade criminosa diante dos menores infratores, o resultado sempre foi o mesmo: o crime compensa, bora fazer o boy.

Nos recentes ataques no estado do Ceará, aquele estado que serviria de modelo ao Brasil, segundo o candidato do PDT Ciro Gomes, o que nos faz hoje pensar se aqui se tratava de uma proposta ou ameaça, 1/3 dos capturados eram menores de 18 anos, que trabalhavam para crime ou ingressaram nele para a realização destas ações no início do ano. Mais de 100 vítimas da sociedade que já podem decidir o futuro do país mas não podem arcar com suas responsabilidades, foram pegos com armamento pesado, bombas e até participação nos atentados da torre de transmissão e explosão da torre de transmissão. Em matéria ao Portal de Notícias Terra, Beatriz Xavier, presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos, afirma que falta transparência por parte do governo estadual no detalhamento desses presos. “Meninos de 13 anos estão sendo apreendidos. E, nessas capturas, vemos se repetir uma prática reiterada das polícias de prender gente negra e pobre que está na periferia passando na rua. Temos ouvido isso de diversas fontes”, conta.

De certo a querida presidente gostaria de saber a cor da Beyblade preferida por estas amáveis crianças que já mataram, estupraram, assassinaram, etc.

O debate entorno da redução da maioridade penal irá ganhar força este ano, isto porque Jair Bolsonaro é o inusitado presidente que faz o óbvio que jamais foi feito: cumprir promessas de campanha! Bolsonaro já chegou a dizer que a idade ideal seria a de 14 anos, mas entende que a chance de passar no Congresso é bastante remota, já a idade de 16 anos parece mais promissora. Para o atual Ministro da Justiça, 16 anos parece uma idade bem razoável, onde o adolescente já tem em sua plenitude as faculdades mentais para saber que matar alguém é errado. A bancada do PSL e boa parte dos novos parlamentares eleitos aguardam ansiosos para tratarem do tema e corrigirem esta grave distorção penal que premia a impunidade e promove a insegurança.

O Brasil real agradece e espera ansioso por esta importante medida. Afinal de contas, tudo que queremos é poder andar tranquilamente nas ruas sem ter um trabuco apontado na cabeça por um muleque de 14 anos num domingo à tarde pra te levar o relógio de 20 conto.

 


Você gosta do nosso trabalho? Que tal contribuir conosco? Somos uma mídia independente que não recebe dinheiro de políticos.

Considere nos apoiar com qualquer valor clicando aqui.


Não esqueça de visitar o #FórumPOLITZ, a comunidade que mais cresce no Brasil!