Trans-ativista-LGBT é acusada formalmente de ter colocado fogo em sua própria casa para falsificar “ataque de ódio”

Promotores de Michigan acusaram formalmente um(a) ativista LGBT e transgênero(a) Nikki Joly por supostamente ter queimado a própria casa em 2017.

Na época, acreditou-se que ele(a) teria sido vítima de um “crime de ódio”, mas na verdade foi uma armação.

No incêndio, cinco de seus animais de estimação foram mortos e ele(a) alegou que supostamente estaria recebendo ameaças por ser um(a) militante LGBT e transgênero em Jackson, no estado de Michigan.

A reportagem disse:

“As autoridades concluíram posteriormente que o incêndio foi causado intencionalmente, mas a pessoa que foi presa era também uma ativista dos direitos LGBTs”

As autoridades chegaram a suspeita conclusão após analisarem a linha do tempo, registros telefônicos, evidências físicas e depoimentos de testemunhas.


Você gosta do nosso trabalho? Que tal contribuir conosco? Somos uma mídia independente que não recebe dinheiro de políticos.

Considere nos apoiar com qualquer valor clicando aqui.


Fonte(s) Secundária(s) da(s) Informação(ões):

The Detroid News


Não esqueça de visitar o #FórumPOLITZ, a comunidade que mais cresce no Brasil!